Pular para o conteúdo principal

O uso de maconha na adolescência e sua correlação com a esquizofrenia


E eu que nunca fumei maconha, me vejo inserida nesse contexto social e impulsionada a expor a experiência acerca da esquizofrenia vivenciada pelo meu filho, Arthur Miranda. Ele começou a fumar maconha aos 14 anos e usou-a de modo exacerbado durante cinco anos. Depois de todo esse tempo nas grimpas alucinógenas da maconha, o meu filho surtou. Por sete meses tentamos tirá-lo do surto psicótico: onde ele ouvia, 24 horas por dia, vozes e também via pessoas sem cabeça transitando pela casa... Por fim, ele se matou. Meu filho, poeta, estudante de arquitetura, aspirante a arquiteto da Aeronáutica...(jamais revelou quaisquer sintomas de anomalias mentais) Meu filho lindo, amado e tão festivo, se matou. Se eu sabia que ele usava maconha? Sim, eu sabia e vivia feliz pensando: 'que bom que ele SÓ usa maconha'. Eu não sabia, ele não sabia... ninguém podia imaginar que ele tinha predisposição genética para os transtornos mentais; que ele tinha predisposição genética para dependência química. Sabe, isso não sai em exame de sangue e nem no teste do pezinho.

A coisa mais incrível nessa história toda (e tudo que digo é provável com laudos, exames e testemunhas) é que meu filho depois do primeiro surto passou 5 meses e 27 dias sem ouvir às vozes e tudo indicava que ele poderia ter uma vida "normal" apesar do diagnóstico: "Esquizofrenia do tipo esquizoforme concomitante com o uso de tetra-hidrocarbinol"... Mas qual?, ele em sua ânsia de ter a certeza de que era mesmo a maconha que desencadeava os surtos, planejou uma recaída. E no dia do seu aniversário de 20 anos, fumou dois cigarros de maconha. A psiquiatra já o havia alertado que caso isso acontecesse ele enlouqueceria outra vez... Foi isso que aconteceu... E depois de dois meses em Franco Surto Psicótico ele optou pela automorte. Ele deixou toda a sua experiência com o uso da maconha e com o surto psicótico em um manuscrito do qual chamou de "No Jardim de ervas daninhas: pague para entrar e reze para sair". 

Não é verdade que ele queria morrer, pois ele amava viver, sorrir, brincar... Mas ele não suportava mais viver daquele ouvindo vozes e vendo acéfalos. Ele não queria morrer, ele só não queria mais sobreviver. É diferente.

Eu gostaria de deixar bem claro que a minha intenção ao relatar essa história não é a de promover debates sobre a legalização e/ou descriminalização da maconha ou quaisquer outras drogas, mas sim, propor a reflexão sobre os riscos da drogadição ativa na adolescência por indivíduos geneticamente predispostos.

Tenho "apanhado" muito com a exposição dessa história, mas também imensamente apoiada. Eu não gostaria que isso tivesse acontecido com o meu filho e eu jamais revelaria as minhas vísceras em público, não tivesse eu a plena certeza do que eu digo. Eu não exporia a vida do meu único filho ao escárnio, se ele mesmo, antes de decidir pela morte, não tivesse feito isso em suas redes sociais de modo a se colocar como exemplo. Eu poderia, agora que não tenho mais problema algum com drogas em casa, seguir vivendo a minha vida tranquila e ignorar o fato de que o exemplo do meu filho pode servir de alerta aos que ainda não entraram na drogadição. Eu poderia. Sim, eu poderia, mas a minha consciência social não me permite.

É preciso que os jovens compreendam que tudo na vida evolui e a cannabis evoluiu também: há trinta anos atrás a quantidade de THC (principal substância psicoativa encontrada na maconha) era de 6% e atualmente é 25% com a média a subir, nos próximos anos, cerca de 13%....). O Centro Nacional de Biotecnologia, numa uma revisão sistemática atualizada, mostrou que o uso de cannabis em adolescentes e desenvolvimento posterior de esquizofrenia

O estudo teve como objetivo revisar a literatura recente não incluída em revisões anteriores e verificar a correlação entre o uso precoce de maconha entre adolescentes, entre 12 e 18 anos de idade, e o desenvolvimento de esquizofrenia no início da idade adulta. Um outro objetivo foi determinar se a frequência do uso de maconha demonstrava algum efeito significativo no risco de desenvolver esquizofrenia no início da idade adulta. 

Foram examinados quinhentos e noventa e um estudos. Os estudo foram analisados ​​utilizando uma série de testes não paramétricos e meta-análise que mostraram uma diferença altamente significativa nas taxas de probabilidade para esquizofrenia entre usuários de alto e baixo consumo de cannabis. E naqueles que não fazem uso de cannabis, as chances são bem menores.


Texto de Clara Dawn, presidente e fundadora do IPAM-Instituto de Pesquisas Arthur Miranda em prevenção à drogadição, aos transtornos mentais e ao suicídio na infância e na adolescência. Texto publicado originalmente em 2014, um ano depois do suicídio de seu filho, Arthur Miranda. Desde então, ela tem se dedico às pesquisas teóricas e de campo. 

Comentários

Mais vistos

Suicídio, um fenômeno social silenciado pela ignorância

Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que 800 mil pessoas morram por intermédio do autoextermínio forma anualmente, uma a cada 40 segundos, o que equivale a 1,4% dos óbitos totais. Cerca de 78% ocorrem em países de renda média e baixa. Segundo a OMS, apenas 28 países possuem estratégia nacional de combate à morte voluntária. A média global é de 10,7 por 100 mil habitantes, sendo 15/100 mil entre homens e 8 entre as mulheres. Os dados não são precisos, com exceção dos países que levam a sério a prevenção e o acompanhamento do autoextermínio. De um total de 172 países membros, a OMS considera que apenas 60 países enviam dados de boa qualidade, na maioria, nações desenvolvidas. E é justamente nos 112 restantes que se encontram 78% dos suicídios registrados no mundo. O Brasil está entre os 10 países do mundo no ranking do suicídio, onde ocorre em média 11.000 casos por ano. E isto é apenas um sub-índice, uma vez que muitos casos não são notificados como suicídio. O sociólogo Ém

Reforma psiquiátrica: resumo histórico e a quebra do paradigmas psicossocioculturais

Texto do professor Rafael Lustosa Ribeiro,  mestre em história da psiquiatria e saúde mental O indivíduo considerado louco adquiriu várias “máscaras” no decorrer da evolução humana, passando de um indivíduo que teria um contato místico com entidades divinas à uma possessão demoníaca, depois um ser doente por um único fator e em seguida por diversos fatores. Essa mudança de visão sempre sofreu influência de diversos fatores, sejam eles sociais, religiosos e econômicos, que vingavam no período da época estudada.  Quando nos debruçamos nos principais períodos relacionadas ao entendimento da loucura, no princípio, observamos o entendimento da loucura como algo místico, em que o indivíduo foi tomado por uma força sobrenatural, que para se curar e devia recorrer a rituais ou a benzimentos por um xamã ou sacerdote da tribo.  Em posteriori, a concepção tomou uma nova cara, apresentando a loucura como a mudança de um equilíbrio natural do ser humano. Isso é o que afirmava Hipócrates (460 a.C.-