Pular para o conteúdo principal

02 de abril: Dia Mundial da Conscientização do Autismo

Foto: autismspeaks.org

O Dia Mundial da Conscientização do Autismo, 2 de abril, foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU), no ano de 2007. Essa data foi escolhida com o objetivo de levar informação à população para reduzir a discriminação e o preconceito contra os indivíduos que apresentam o Transtorno do Espectro Autista (TEA). O autismo não é uma doença, não é um defeito a ser corrigido, é apenas um jeito de ser, uma peculiar caracterizada por desafios em habilidades sociais, comportamentos repetitivos, fala e comunicação não-verbal, dentre outras.

Não existe um tipo de autismo. Existem muitos

De acordo com os Centros de Controle de Doenças, o autismo afeta cerca de 1 em cada 44 crianças nos Estados Unidos hoje.

Sabemos que não existe um autismo, mas muitos subtipos, mais influenciados por uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Como o autismo é um transtorno do espectro, cada pessoa com autismo tem um conjunto distinto de pontos fortes e desafios. As maneiras pelas quais as pessoas com autismo aprendem, pensam e resolvem problemas podem variar de altamente qualificadas a severamente desafiadas. Algumas pessoas com TEA podem precisar de apoio significativo em suas vidas diárias, enquanto outras podem precisar de menos apoio e, em alguns casos, viver de forma totalmente independente.

Vários fatores podem influenciar o desenvolvimento do autismo, e muitas vezes é acompanhado por sensibilidades sensoriais e problemas médicos, como distúrbios gastrointestinais (GI), convulsões ou distúrbios do sono, bem como problemas de saúde mental, como ansiedade, depressão e problemas de atenção.

Os sinais de autismo geralmente aparecem aos 2 ou 3 anos de idade. Alguns atrasos de desenvolvimento associados podem aparecer ainda mais cedo e, muitas vezes, podem ser diagnosticados aos 18 meses. Pesquisas mostram que a intervenção precoce leva a resultados positivos mais tarde na vida de pessoas com autismo.

Quais são os sinais do autismo?

A idade do diagnóstico do autismo e a intensidade dos primeiros sinais do autismo variam amplamente. Alguns bebês mostram dicas em seus primeiros meses. Em outros, os comportamentos tornam-se óbvios até os 2 ou 3 anos de idade.

Nem todas as crianças com autismo apresentam todos os sinais. Muitas crianças que não têm autismo apresentam alguns. Por isso a avaliação profissional é fundamental.

O seguinte pode indicar que seu filho está em risco de um transtorno do espectro do autismo. Se o seu filho apresentar qualquer um dos seguintes, peça uma avaliação ao seu pediatra ou médico de família imediatamente:

Aos 6 meses

Poucos ou nenhum grande sorriso ou outras expressões calorosas, alegres e envolventes. Limitado ou nenhum contato visual.

Aos 9 meses

Pouca ou nenhuma troca de sons, sorrisos ou outras expressões faciais

Aos 12 meses

Pouco ou nenhum balbucio. Pouco ou nenhum gesto de vai-e-vem, como apontar, mostrar, alcançar ou acenar. Pouca ou nenhuma resposta ao nome.

Aos 16 meses

Poucas ou nenhuma palavra

Aos 24 meses

Muito poucas ou nenhuma frase significativa de duas palavras (sem incluir imitação ou repetição)

Em qualquer idade

  • Perda da fala, balbucio ou habilidades sociais adquiridas anteriormente
  • Evitando o contato visual
  • Preferência persistente pela solidão
  • Dificuldade em entender os sentimentos de outras pessoas
  • Desenvolvimento de linguagem atrasado
  • Repetição persistente de palavras ou frases (ecolalia)
  • Resistência a pequenas mudanças na rotina ou ambiente
  • Interesses restritos
  • Comportamentos repetitivos (bater as asas, balançar, girar, etc.)
  • Reações incomuns e intensas a sons, cheiros, sabores, texturas, luzes e/ou cores

Se as respostas sugerirem que seu filho tem uma alta probabilidade de autismo, consulte o médico do seu filho. Da mesma forma, se você tiver outras preocupações sobre o desenvolvimento de seu filho, não espere. É muito importante fazer uma triagem com médico pediatra e neuropediatra. 


As informações são de autismspeaks.org

Comentários

Mais vistos

O uso de maconha na adolescência e sua correlação com a esquizofrenia

E eu que nunca fumei maconha, me vejo inserida nesse contexto social e impulsionad a a expor a experiência acerca da esquizofrenia vivenciada pelo meu filho, Arthur Miranda. Ele começou a fumar maconha aos 14 anos e usou-a de modo exacerbado durante cinco anos. Depois de todo esse tempo nas grimpas alucinógenas da maconha, o meu filho surtou. Por sete meses tentamos tirá-lo do surto psicótico: onde ele ouvia, 24 horas por dia, vozes e também via pessoas sem cabeça transitando pela casa... Por fim, ele se matou. Meu filho, poeta, estudante de arquitetura, aspirante a arquiteto da Aeronáutica...(jamais revelou quaisquer sintomas de anomalias mentais) Meu filho lindo, amado e tão festivo, se matou. Se eu sabia que ele usava maconha? Sim, eu sabia e vivia feliz pensando: 'que bom que ele SÓ usa maconha'. Eu não sabia, ele não sabia... ninguém podia imaginar que ele tinha predisposição genética para os transtornos mentais; que ele tinha predisposição genética para dependência químic

Suicídio, um fenômeno social silenciado pela ignorância

Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que 800 mil pessoas morram por intermédio do autoextermínio forma anualmente, uma a cada 40 segundos, o que equivale a 1,4% dos óbitos totais. Cerca de 78% ocorrem em países de renda média e baixa. Segundo a OMS, apenas 28 países possuem estratégia nacional de combate à morte voluntária. A média global é de 10,7 por 100 mil habitantes, sendo 15/100 mil entre homens e 8 entre as mulheres. Os dados não são precisos, com exceção dos países que levam a sério a prevenção e o acompanhamento do autoextermínio. De um total de 172 países membros, a OMS considera que apenas 60 países enviam dados de boa qualidade, na maioria, nações desenvolvidas. E é justamente nos 112 restantes que se encontram 78% dos suicídios registrados no mundo. O Brasil está entre os 10 países do mundo no ranking do suicídio, onde ocorre em média 11.000 casos por ano. E isto é apenas um sub-índice, uma vez que muitos casos não são notificados como suicídio. O sociólogo Ém

Reforma psiquiátrica: resumo histórico e a quebra do paradigmas psicossocioculturais

Texto do professor Rafael Lustosa Ribeiro,  mestre em história da psiquiatria e saúde mental O indivíduo considerado louco adquiriu várias “máscaras” no decorrer da evolução humana, passando de um indivíduo que teria um contato místico com entidades divinas à uma possessão demoníaca, depois um ser doente por um único fator e em seguida por diversos fatores. Essa mudança de visão sempre sofreu influência de diversos fatores, sejam eles sociais, religiosos e econômicos, que vingavam no período da época estudada.  Quando nos debruçamos nos principais períodos relacionadas ao entendimento da loucura, no princípio, observamos o entendimento da loucura como algo místico, em que o indivíduo foi tomado por uma força sobrenatural, que para se curar e devia recorrer a rituais ou a benzimentos por um xamã ou sacerdote da tribo.  Em posteriori, a concepção tomou uma nova cara, apresentando a loucura como a mudança de um equilíbrio natural do ser humano. Isso é o que afirmava Hipócrates (460 a.C.-