Pular para o conteúdo principal

Steven Tyler e a luta contra às drogas


Steven Tyler (nascido Steven Victor Tallarico, Yonkers, 26 de março de 1948) é um cantor, compositor e multiinstrumentista estado-unidense, conhecido por seu trabalho como vocalista da banda Aerosmith, na qual também toca harmônica, piano e, ocasionalmente, percussão . Conhecido como "Demon of Screamin'" ("Demônio da Gritaria", em tradução livre), e por suas acrobacias sobre o palco, durante suas performances enérgicas, nas quais se veste com roupas coloridas e brilhantes e utiliza seu tradicional microfone adornado com lenços coloridos.

Na década de 1970, Tyler se destacou como líder do Aerosmith, banda sediada em Boston que lançou diversos álbuns clássicos do hard rock, como Toys in the Attic e Rocks. No fim daquela década e no início da seguinte, Tyler sustentou um pesado vício em álcool e drogas, enquanto a popularidade da banda declinava. Após passar por clínicas de reabilitação em 1986, Tyler se manteve sóbrio por mais de 20 anos, embora tenha adquirido um vício em analgésicos no fim da década de 2000, que ele conseguiu tratar com sucesso.

Após a banda ter feito um retorno extremamente bem-sucedido no fim da década de 1980 e início da de 1990, com os álbuns Permanent Vacation, Pump e Get a Grip, Tyler se tornou uma personalidade conhecida, e continua a ser um ícone pop de grande relevância. Como resultado, participou de diversos projetos solo (que entraram no top 40), incluindo aparições como convidado especial nos trabalhos de outros artistas, bem como papéis no cinema e na televisão (inclusive sendo jurado no popular programa American Idol), além de ter escrito uma autobiografia bem sucedida (lançada em 2005 ). Continua, no entanto, gravando e se apresentando com o Aerosmith, após mais de 43 anos na banda.

Recentemente, Tyler foi incluído entre os "100 maiores cantores" da revista Rolling Stone , e ficou com a terceira posição da lista de "100 maiores vocalistas do metal de todos os tempos", da Hit Parader7 . Em 2001 passou a fazer parte do Rock and Roll Hall of Fame, juntamente com o resto do Aerosmith8 , e foi o apresentador quando a banda australiana AC/DC passou a fazer parte do mesmo, em 2003. Em 2013, Tyler e seu parceiro Joe Perry receberam o ASCAP Founders Award e entraram para o Songwriters Hall of Fame.

Carreira:

Antes do Aerosmith (1964-1969). Em 1964, Steven formou sua primeira banda, The Strangeurs, na qual ocupava a posição de baterista. Assinaram um contrato com a CBS e mudaram o nome da banda para Chain Reaction. Aos 18 anos, em 1966, Tyler passou a compor com o tecladista da banda e gravaram algumas músicas. Entre 1967 e 1968, abriram 4 shows para os The Yardbirds, e Steven foi convidado para experimentar os vocais com a The Left Banke.

Em 1969, quando foi passar as férias em Sunapee, New Hampshire, conheceu Joe Perry em uma lanchonete. Joe chamou Steven para vê-lo tocar com sua banda, a Jam Band, na mesma noite e lugar em que a Chain Reaction também tocaria. Foi então que houve a junção das duas bandas e a formação do Aerosmith.

Sucesso:

No começo de 1970, Tyler juntou-se a Joe Perry e Tom Hamilton para começarem uma nova banda. Steven insistiu em ser o frontman e vocalista, chamando seu amigo de Nova York, Joey Kramer, para ser o baterista. Sem um segundo guitarrista, Steven chamou um amigo de infância, Ray Tabano, para seguir em frente. Eles se mudaram para Boston e passaram a dividir um apartamento na Commonwealth Avenue em Brighton. Tabano foi substituído por Brad Whitford em 1971.

Passado um tempo tocando em clubes sob a tutela de seu primeiro manager, Frank Connelly, a banda começou a trabalhar com Steve Leber e David Krebs, managers de Nova York. Estes dois agendaram o grupo no Max's Kansas City (lendário clube noturno) em Outubro de 1971. O Aerosmith se apresentou para executivos de gravadoras, logo depois assinando um contrato com a Columbia Records e lançando seu primeiro disco em 1973, que foi seguido por Get Your Wings, em 1974.

A banda fazia turnês e sobrevivia como podia, abrindo shows como para a Mott the Hoople. "Dream On", até então, havia chegado apenas na posição 59, em 1973. A situação mudou com os lançamentos de "Toys in the Attic" (1975) e "Rocks" (1976), quando o Aerosmith finalmente estourou na mídia nacional e internacional. "Sweet Emotion" foi o primeiro single a atingir o top 40. "Dream On" foi relançada e chegou na posição de número 6, seguida de outro hit que chegou ao top 10, "Walk This Way". Além disso, outros grandes hits saíram do álbum "Rocks", como "Last Child", "Back in the Saddle" e "Home Tonight". Entre esses anos, o Aerosmith já se tornava a banda americana de Hard rock mais importante do mundo, tocando em grandes estádios e em festivais de grande magnitude. Steven tornou-se um símbolo sexual, aparecendo em diversas capas de revistas, tais como a "Rolling Stone".

"Draw the Line", de 1977, continuou o sucesso da banda, que agora já fazia turnês pelo Japão e Europa. Uma série de hits top 100 ajudaram na divulgação mundial da banda, tais como "Draw the Line", "Kings and Queens" e "Chip Away the Stone". Os cinco primeiros discos do Aerosmith venderam milhares de cópias, rendendo-lhes diversas certificações de platina, e também foram reconhecidos como os maiores e melhores discos de Hard rock da história. 1978 viu o lançamento do álbum ao vivo "Live! Bootleg", que tem canções capturadas durante as turnês pesadas do grupo nos anos 70, e também a atuação de Steven e seus parceiros de banda no filme "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band", o que lhes rendeu o single "Come Together", o último do Aerosmith a entrar no top 40 pelos próximos nove anos.

Declínio:

No fim dos anos 70, quando a banda já possuía um estrelato tão grande quanto o de grupos como Led Zeppelin e Rolling Stones, as turnês, gravações e o convívio em grupo estavam começando a ser atrapalhados pelo uso de drogas. Tyler e Perry até mesmo eram chamados de "Toxic Twins" ("Gêmeos Tóxicos", em tradução livre) pelo uso abusivo de estimulante e heroína. A relação entre ambos foi documentada em diversos vídeos e programas que falam do Aerosmith, inclusive pelo "Behind the Music". Depois de uma grande briga entre Tyler e Perry nos bastidores do festival World Series of Rock, no dia 28 de Julho de 1979, Joe deixou o Aerosmith e formou a The Joe Perry Project. O álbum "Night in the Ruts" foi lançado meses depois, já com a participação de seu substituto, Jimmy Crespo.

No Outono de 1980, Steven se machucou seriamente em um acidente de moto, o que o hospitalizou por dois meses, impedindo-o de gravar ou realizar shows até o seguinte ano de 1981. Após gravar "Lightning Strikes", Brad Whitford deixou o Aerosmith, sendo rapidamente substituído por Rick Dufay. Com a banda completa, Steven e Crespo produziram o álbum "Rock in a Hard Place", que foi lançado em 1982. Contudo, o uso de heroína por parte de Tyler estava se tornando um problema. Em 1983, todos os dias ele saía às ruas procurando por traficantes.

"Ficando limpos":

No dia 14 de Fevereiro de 1984, Perry e Whitford, que haviam deixado a banda em 1979 e 1981, respectivamente, apareceram em um show do Aerosmith. De acordo com o "Behind the Music", do VH1, Steven havia feito uma ligação para Joe, incentivando-o a voltar para o grupo. Nos bastidores, ambos Joe e Brad concordaram em fazer parte da banda novamente. O Aerosmith demitiu seus antigos managers, Leber e Krebs, e contratou Tim Collins, que estava sendo o manager de Perry. Eles, então, assinaram um novo contrato com a Geffen Records.

Eles ingressaram na turnê "Back in the Saddle" e lançaram o álbum "Done with Mirrors" em 1985. Contudo, o uso de drogas continuava tão alto que Steven, durante um show em Springfield, Illinois, desmaiou e não conseguiu se recuperar a tempo de voltar ao palco. Em 1986, os membros da banda convenceram Tyler a entrar em uma clínica de reabilitação. Completo o tratamento dele, os outros membros da banda também entraram em clínicas de reabilitação e ficaram limpos.

Comentários

Mais vistos

O uso de maconha na adolescência e sua correlação com a esquizofrenia

E eu que nunca fumei maconha, me vejo inserida nesse contexto social e impulsionad a a expor a experiência acerca da esquizofrenia vivenciada pelo meu filho, Arthur Miranda. Ele começou a fumar maconha aos 14 anos e usou-a de modo exacerbado durante cinco anos. Depois de todo esse tempo nas grimpas alucinógenas da maconha, o meu filho surtou. Por sete meses tentamos tirá-lo do surto psicótico: onde ele ouvia, 24 horas por dia, vozes e também via pessoas sem cabeça transitando pela casa... Por fim, ele se matou. Meu filho, poeta, estudante de arquitetura, aspirante a arquiteto da Aeronáutica...(jamais revelou quaisquer sintomas de anomalias mentais) Meu filho lindo, amado e tão festivo, se matou. Se eu sabia que ele usava maconha? Sim, eu sabia e vivia feliz pensando: 'que bom que ele SÓ usa maconha'. Eu não sabia, ele não sabia... ninguém podia imaginar que ele tinha predisposição genética para os transtornos mentais; que ele tinha predisposição genética para dependência químic

Suicídio, um fenômeno social silenciado pela ignorância

Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que 800 mil pessoas morram por intermédio do autoextermínio forma anualmente, uma a cada 40 segundos, o que equivale a 1,4% dos óbitos totais. Cerca de 78% ocorrem em países de renda média e baixa. Segundo a OMS, apenas 28 países possuem estratégia nacional de combate à morte voluntária. A média global é de 10,7 por 100 mil habitantes, sendo 15/100 mil entre homens e 8 entre as mulheres. Os dados não são precisos, com exceção dos países que levam a sério a prevenção e o acompanhamento do autoextermínio. De um total de 172 países membros, a OMS considera que apenas 60 países enviam dados de boa qualidade, na maioria, nações desenvolvidas. E é justamente nos 112 restantes que se encontram 78% dos suicídios registrados no mundo. O Brasil está entre os 10 países do mundo no ranking do suicídio, onde ocorre em média 11.000 casos por ano. E isto é apenas um sub-índice, uma vez que muitos casos não são notificados como suicídio. O sociólogo Ém

Reforma psiquiátrica: resumo histórico e a quebra do paradigmas psicossocioculturais

Texto do professor Rafael Lustosa Ribeiro,  mestre em história da psiquiatria e saúde mental O indivíduo considerado louco adquiriu várias “máscaras” no decorrer da evolução humana, passando de um indivíduo que teria um contato místico com entidades divinas à uma possessão demoníaca, depois um ser doente por um único fator e em seguida por diversos fatores. Essa mudança de visão sempre sofreu influência de diversos fatores, sejam eles sociais, religiosos e econômicos, que vingavam no período da época estudada.  Quando nos debruçamos nos principais períodos relacionadas ao entendimento da loucura, no princípio, observamos o entendimento da loucura como algo místico, em que o indivíduo foi tomado por uma força sobrenatural, que para se curar e devia recorrer a rituais ou a benzimentos por um xamã ou sacerdote da tribo.  Em posteriori, a concepção tomou uma nova cara, apresentando a loucura como a mudança de um equilíbrio natural do ser humano. Isso é o que afirmava Hipócrates (460 a.C.-